CREF16-RN E Notícias E Guia traz dados que mostram influência positiva da atividade física no tratamento do câncer

Guia traz dados que mostram influência positiva da atividade física no tratamento do câncer

maio 4, 2022 | Notícias | 0 Comentários

Clique na imagem e baixe o Guia

A Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) lançou, junto com a Sociedade Brasileira de Atividade Física e Saúde (SBAFS) e o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o guia “Atividade Física e Câncer: Recomendações para Prevenção e Controle”.

16 pesquisadores de instituições de todo o Brasil participaram da elaboração. A publicação é estruturada em duas partes: prática de atividade física para prevenir e diminuir o risco da mortalidade em pessoas que já têm a doença e estão sob tratamento após o diagnóstico. A pesquisa utilizou os parâmetros da Organização Mundial da Saúde (OMS), que indica a prática de 150 minutos de atividade moderada ou 75 de atividades intensas por semana.

Para quem já tem a doença, a prática de atividade física moderada a vigorosa reduz o risco de mortalidade geral e específica por câncer de mama, cólon e reto, e de mortalidade específica por câncer de próstata. A redução do risco de mortalidade pode ser de até 50% nesses pacientes. “Concluímos que a prática de atividade física reduz o risco de desenvolver o câncer de mama e cólon, e, possivelmente, de pulmão; a redução de risco pode chegar a 28%”, afirmou o coordenador do guia, o professor do Departamento de Educação Física da Universidade Estadual de Londrina, Rafael Deminice.

O objetivo do guia é aproximar a população brasileira e os profissionais de saúde das mais recentes descobertas envolvendo a prática de atividade física e câncer.

QUATRO PASSOS

Como, então, tentar reverter essa cultura de tratamento dos pacientes oncológicos? A equipe desenvolveu, no guia, quatro passos e uma regra para profissionais de saúde que trabalham com esses pacientes.

O primeiro é encorajar pessoas, com ou sem diagnóstico, a fazer atividade física. O segundo é a máxima de que “todo movimento conta”.

O terceiro passo é informar que a prática de atividade física para paciente oncológico é tolerável e segura. O quarto passo é considerar a disponibilidade e experiência prévia do paciente ao orientar a prática de atividades físicas.

(Com informações da agência UEL)

Skip to content